Alguns recursos desse site utilizam cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao continuar a navegar nesse site, você concorda em utilizá-los?

Área de Conhecimento

Resultados de estudos, pesquisas e nossa produção intelectual ao seu alcance.

Aqui você encontra parte de nossos conteúdos.
Veja todo conteúdo

Indústria teme que governo desista da Lei de Informática para cortar benefícios

Em que pese o empenho do Ministério de Ciência e Tecnologia, a indústria de bens de informática teme que o […]

Indústria teme que governo desista da Lei de Informática para cortar benefícios

Em que pese o empenho do Ministério de Ciência e Tecnologia, a indústria de bens de informática teme que o governo como um todo não esteja convencido da necessidade de manter uma política industrial para o segmento de tecnologia. Como visto durante a audiência que tratou do contencioso na OMC sobre a Lei de Informática (8.248/91), o tempo é curto e o momento de crise ameaça uma visão estreita sobre os R$ 5 bilhões por ano de renúncia fiscal.

“Existe uma preocupação enorme que em função de um momento delicado por que passa o país em termos de crise fiscal tenhamos a tendência diminuir os investimentos que o país faz em apoio ao desenvolvimento industrial. Seria um tiro no pé em termos de futuro. É primordial vencermos as resistências internas”, afirmou durante reunião da Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara o presidente da Abinee, Humberto Barbato.

O MCTIC fez coro, ao sustentar que o retorno, inclusive tributário, a partir da Lei de Informática, é superior aos benefícios fiscais. “A desoneração tributária da Lei de Informática, a renuncia fiscal, é da ordem de R$ 5,2 bilhões ao ano. Entretanto, a arrecadação quando se olha IPI, PIS/Cofins, ICMS das empresas beneficiadas é de quase R$ 9,8 bilhões”, destacou o secretário de Políticas de Informática, Maximiliano Martinhão.

Como apontou, o conjunto das 673 empresas que se valem da Lei de Informática fatura mais de R$ 107 bilhões, mas apenas R$ 46 bilhões são relativos aos bens diretamente incentivados pela política industrial. Mais de R$ 60 bilhões são do que ele considera um transbordo positivo do instrumento. “Nosso papel é discutir alternativas que preservem esse ativo que o Brasil conquistou ao longo de 25 anos”, completou.

O tempo para isso, no entanto, é curto. Em dezembro passado saiu a decisão do painel da OMC sobre os contenciosos abertos pela União Europeia e pelo Japão contra instrumentos da política industrial brasileira – além da Lei de Informática, também são questionados instrumentos para o setor automotivo, semicondutores, TV Digital, etc. O Itamaraty vai recorrer, mas não há grande confiança de que a decisão desfavorável ao Brasil seja revertida.

“O argumento central foi que como os produtos incentivados pela Lei de Informática pagam IPI reduzido, a carga tributária desses produtos seria inferior aos similares importados. A apelação é um procedimento de 60 dias e deve ser concluído até o fim do ano. E como Japão e UE têm insistido em aplicação em 90 dias, o prazo talvez seja mais curto do que gostaríamos. Teríamos que dar cumprimento à decisão no primeiro trimestre do ano que vem”, explicou a chefe da divisão de contenciosos comerciais do Ministério de Relações Exteriores, Daniela Arruda.

Autor do requerimento de audiência, o ex-ministro do MCT Celso Pansera (PMDB-RJ), prega pela apresentação em breve de uma proposta de lei que faça mudanças na Lei de Informática para atender a OMC, mas que preserve a política. “Não deixemos essa coisa explodir no ano que vem, no meio do processo eleitoral, e ainda em meio ao processo conturbado que a gente vive. Não dá para ser uma Medida Provisória. Precisa ser projeto de lei, que é mais demorado, e as coisas precisam ser muito bem pensadas e articuladas. Se deixarmos para em cima da hora, pode muito bem prevalecer a visão simplista de acabar com a política.” Assistam a participação do presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato.

Fonte: Convergência Digital

'Deu match': universidades públicas aderem a plataforma para aproximar empresas e pesquisas

A expressão “deu match”, usada quando há interesse mútuo entre usuários do aplicativo de paquera online Tinder, deve ganhar força [...]

A Lei do Bem e o crescimento sustentável da economia

Por Alfonso Abrami Políticas econômicas protecionistas ou de incentivos ilusórios, no melhor estilo “tapando o sol com a peneira”, só transferem [...]

A Lei do Bem ganha força com a condenação pela OMC de 7 programas federais de subsídio à indústria nacional

A Organização Mundial do Comércio (OMC) divulgou na quarta feira (30 de agosto) a condenação de diversas medidas de incentivo à indústria [...]

Facebook investe em espaço de empreendedorismo e inovação em SP

Até o final deste ano, a avenida Paulista, em São Paulo, terá um centro de inovação e empreendedorismo pensado e desenvolvido pelo Facebook. [...]

Inovação e educação digital

Qualificar a educação pública e desenvolver um ambiente propício à inovação são dois dos maiores desafios do Brasil. Países que [...]

Você, seu trabalho e as organizações-caravela

Diante de um futuro em radical transformação, não faz nenhum sentido pensar que as organizações e o emprego continuarão tal [...]

Série do JN sobre inovação mostra que futuro chegou e até já passou

Faz alguns meses, o Jornal Nacional recebeu uma sugestão de pauta bem ambiciosa. A ideia era produzir uma série de [...]

Procedimento de concessão simplificado de pedidos de patente no Brasil

Após a recente revogação da Resolução 193 de 7 de junho de 2017, que estabelecia a análise acelerada dos pedidos [...]

MCTIC cria novo procedimento para avaliação dos formulários da Lei do Bem

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – MCTIC publicou um novo procedimento de avaliação dos FORMP&Ds, o qual [...]

Seja inútil e envelheça sem crescer: 7 dicas para você ser mais criativo

Quer ser mais criativo? Que tal ser ruim de verdade em alguma coisa? É o que propõe Rod Judkins em [...]

Startups voltadas para nano e biotecnologia: oportunidade de parceria com CNPEM

Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) atua nas áreas de energia, materiais e biociências por meio de [...]

Instituto Serrapilheira, dos Moreira Salles, lança 1º edital para pesquisas

Com o objetivo de incentivar os cientistas brasileiros a buscar resposta às grandes perguntas de seus campos, o Instituto Serrapilheira [...]

contato

fale conosco

Entre em contato com a gente pelo formulário abaixo:
Assunto:
Comentário:

Trabalhe conosco

Envie seu currículo para Pieracciani:
Área:
Comentário:
55 11 5506 2953

Rua Geraldo Flausino Gomes, 78cj. 151
Brooklin NovoSão PauloSP04575-060

Cadastre-se

Receba novidades e notícias da Pieracciani