Alguns recursos desse site utilizam cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao continuar a navegar nesse site, você concorda em utilizá-los?

Pieracciani na mídia

Como centro de referência em Gestão, um de nossos papéis é difundir conhecimento. Nossa experiência está constantemente presente nos meios de comunicação mais importantes do país.

Raio Gourmetizador Ativar!

Rótulo de queridinho do consumidor, o gourmet virou uma das principais tendências do mercado. por Raíza Pacheco Imagine que você […]

Raio Gourmetizador Ativar!

Rótulo de queridinho do consumidor, o gourmet virou uma das principais tendências do mercado.

por Raíza Pacheco

Imagine que você está sentado em alguma lanchonete e pede um pão com manteiga, com apenas uma água para acompanhar. Na hora de sair, recebe a conta e percebe que houve um engano, pois o estabelecimento está cobrando 28 reais. Ao chamar o garçom, vem a surpresa: a conta está toda correta – a água custou 21 reais e o preço do pãozinho com manteiga foi 7 reais. Uma situação impossível, certo? Não se a água tiver sido engarrafada a partir da umidade do ar à margens do rio negro, na Amazônia, e se a manteiga do pão for aromatizada com cacau e servida em formato de vela. Sim, esses produtos existem. E, por causa de seu diferencial e sofisticação, ganham a caracterização de gourmet.

O termo gourmet, originalmente em francês, era usado para designar alguém com um conhecimento extenso sobre a alta cozinha (haute cuisine). A tradução mais próxima para o português seria gastrônomo, que se refere às pessoas que apreciam, com gosto e conhecimento, a culinária. Nos últimos tempos, entretanto, a palavra gourmet ganhou novos significados. Restaurantes, bares e, principalmente, pratos e produtos diversos da culinária passaram a se descrever assim.

São inúmeras as empresas que investem em produtos e serviços gourmet. Nem itens básicos do cardápio escapam da gorumetização e ganham uma versão sofisticada: café, chá, pipoca, hambúrguer, coxinha, espetinho, churros, sacolé, chocolate… Qualquer coisa que possa ganhar caldas e molhos especiais, raspas de limão siciliano e flocos de chocolate belga já está apta para ser gourmetizada. E a procura de consumidores por esses produtos só cresce.

Segundo um levantamento realizado pela Kantar Worldpanel, empresa especializada em painéis de consumo, os consumidores brasileiros estão cada vez mais comprando bens de consumo não duráveis, e procurando a premiunização. De acordo com Marcos Calliari, presidente da Katar, essa procura é resultado do aumento da renda do consumidor nos últimos anos. Com acesso a novos produtos, o brasileiro passou a desejar serviços diferenciados, “buscando praticidade e sofisticação”, afirma Callirari.

MOTIVOS

Mas por que esse desejo pelo universo gourmet? Para o especialista em inovação Valter Pieracciani, existem dois motivos pelo crescente interesse do público. O primeiro é cultural: houve mudança na forma que o brasileiro encara a comida e o ato de comer. “Antigamente, comida era comida e pronto. Os alimentos têm se transformado em outra coisa, em entretenimento, cultura, em momento de curtição”, explica Pieracciani. A valorização da maneira com o ato de comer é percebida e abre espaço para que as pessoas sejam mais exigentes, esperando mais qualidade na produção e apresentação, e gastem mais com isso.

O segundo motivo apontado por Valter Pieracciani é a inovação desse modelo de negócios. Ele afirma que a inovação está ligada ao valor percebido pelo cliente. Se empresas e marcas investem em mudanças no produto ou em sua produção para aprimorar sua qualidade, elas estão inovando. “Inovação não precisa ser radical, não necessita ser algo disruptivo”, explica o especialista. “E se for inovador de verdade, o consumidor premia isso comprando”, destaca.

Já para o especialista em branding e identidade de marca Guilherme Sebastiany, além da busca pela qualidade, o consumidor busca status. Ele afirma que os produtos gourmet acabam atendendo a necessidades emocionais, como fazer com que o consumidor se sinta parte de uma elite, ou recompensado por seu esforço e trabalho. “Queremos nos sentir especiais e importantes. O consumo de marcas com imagem diferenciada ou exclusiva muitas vezes preenche essa lacuna”, explica Sebastiany.

Mas numa coisa concordam os dois especialista: não basta apenas rotular tudo como gourmet. Se os produtos não apresentam um incremento de qualidade real, o público percebe que está sendo enganado. “Não sustenta, o consumidor não compra”, afirma Valter Pieracciani. Além de perde o consumidor, as marcas ainda podem acabar banalizando de vez o termo. “Existem muitas outras opções dentro do branding para construção de percepção de diferencial além do uso comum do gourmet, mas muitas marcas optam por esse caminho. O problema é que o uso exagerado desse rótulo está eliminando justamente o diferencial que se pretende construir”, explica Guilherme Sebastiany.

E se o consumidor adquire imunidade ao apelo do gourmet, o termo deixa de ser corriqueiro e também vira motivo de piada. Nas redes sociais, tornou-se comum a prática de ridicularizar cardápios e descrições de produtos gourmetizados. Basta acessar página como o Tumblr “A gorumetização da vida” e o Facebook “Raio Gourmetizador”, por exemplo, para ver como o público se diverte com as críticas bem humoradas ao universo gourmet. É, e olha que ainda tem muita coisa que pode ser inventada com esse rótulo.

 

Matéria publicada na Revista Administradores.

Sem incentivo fiscal, faturamento de empresas pode ser comprometido

Publicado no Jornal DCI Cerca de 8% do faturamento das empresas podem ser prejudicados com cortes de incentivos previstos na [...]

Pau de Selfie é um dos melhores exemplos de como inovar na crise econômica

Publicado na Revista Época Negócios Cortar investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento pode ser desastroso durante a crise. Por outro lado, [...]

Entenda o fenômeno das cidades criativas e saiba como esse mercado gera novos negócios e empregos

Publicado na Revista Administradores. Com uma agenda extensa de eventos ligados à moda, design, cinema, teatro, turismo e música, em [...]

Conheça as 10 empresas mais inovadoras do Brasil

Publicado na Revista Forbes Valter Pieracciani, sócio-fundador da Pieracciani Desenvolvimento de Empresas, foi um dos jurados especialistas para construir a [...]

A importância da inovação em tempos de crise

Publicado na Revista Fitness Business “Em tempos ruins, só coisas realmente boas é que vendem”. O ditado norte-americano serve de [...]

Eficiência energética é o pesadelo da indústria automobilística

publicado no Portal Automotive Business Enquanto administra a severa redução do ritmo de vendas, o setor automotivo terá de focar [...]

O futuro chegou: carros autônomos já são realidade e estão avançando rápido

Publicado na Revista Isto É Dinheiro A tecnologia futurística da indústria automobilística está cada vez mais presente na vida dos [...]

Comitê de Gestão de Inovação discute desafios e benefícios da implantação da ABNT 16.501

Em reunião realizada em maio, representantes do Comitê conheceram a experiência do Eldorado com a norma e debateram as razões [...]

As 5 desculpas que um inovador não pode mais dar

“Não sou criativo” – Todo mundo nasce criativo e interpreta diferentes papéis ao longo da vida. “Não sou um gênio” [...]

Tecnologia e carga tributária

Opinião – Alfonso Abrami Apesar da taxa de juros, do dólar flutuante e da inflação em alta, a indústria tem [...]

O que fazer em época de crise? Consultor dá dicas e o mercado dá exemplos

publicado na Revista Leite & Derivados.   Em tempos de crise, é essencial investir em inovação. Nesse período, o mercado [...]

contato

fale conosco

Entre em contato com a gente pelo formulário abaixo:
Assunto:
Comentário:

Trabalhe conosco

Envie seu currículo para Pieracciani:
Área:
Comentário:
55 11 5506 2953

Rua Geraldo Flausino Gomes, 78cj. 151
Brooklin NovoSão PauloSP04575-060

Cadastre-se

Receba novidades e notícias da Pieracciani