Alguns recursos desse site utilizam cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao continuar a navegar nesse site, você concorda em utilizá-los?

Pieracciani na mídia

Como centro de referência em Gestão, um de nossos papéis é difundir conhecimento. Nossa experiência está constantemente presente nos meios de comunicação mais importantes do país.

Sem incentivo fiscal, faturamento de empresas pode ser comprometido

Publicado no Jornal DCI Cerca de 8% do faturamento das empresas podem ser prejudicados com cortes de incentivos previstos na […]

Sem incentivo fiscal, faturamento de empresas pode ser comprometido

Publicado no Jornal DCI

Cerca de 8% do faturamento das empresas podem ser prejudicados com cortes de incentivos previstos na Lei do Bem (11.196/05), colocando em risco não só a saúde financeira das companhias como a arrecadação pública, que já registra trajetória de queda.

A estimativa é do especialista em inovação e sócio fundador da Pieracciani Desenvolvimento de Empresas, Valter Pieracciani. Ele informa que o Executivo federal está preparando mudanças no atual benefício que deduz de 20,4% até 34% do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), das empresas que investem em pesquisa e desenvolvimento.

“Se o governo retirar o incentivo, estará cometendo um grave erro, pois já está mais do que comprovado que a inovação promove o desenvolvimento econômico. Atualmente, há cerca de mil grandes, médias e pequenas empresas que investem em inovação no Brasil e que usufruem do benefício na Lei do Bem”, afirma Pieracciani.

“Em levantamento realizado pela nossa consultoria, podemos constatar que cerca de 8% do faturamento das companhias são derivados da venda de produtos inovadores, que foram desenvolvidos nos últimos três anos. Essa é uma estimativa conservadora, pois, em grandes empresas, esse índice chega a 15% ou até 40%”, acrescenta o consultor, que elabora projetos de inovação tanto para grandes empresas, como a Natura, Fiat e Ambev, como para negócios de médio porte, como a Fiação Universal e a Puratos – esta última do setor de matérias-primas para produtos panificados.

“Portanto, a retirada do benefício de dedução de imposto da Lei do Bem é muito perigosa para o orçamento das empresas. Hoje, se você corta cerca de R$ 300 mil da receita de uma companhia, significa que você vai deixar de lançar, no ano, dois ou três produtos.”

Arrecadação

Adriano Gomes, sócio fundador da consultoria empresarial Méthode, também considera preocupante a retirada de incentivos à inovação. “Os gastos com pesquisa e inovação potencializam a receita das empresas, que passam a ter produtos com maior valor agregado, gerando renda, emprego e arrecadação”, diz.

“Levar à frente projetos que prejudicam a inovação e mantêm a indústria defasada não é o melhor caminho nem mesmo quando se trata das contas públicas”, acrescenta.

Dados da Receita Federal, divulgados na última sexta, mostram que a arrecadação do PIS e da Cofins – duas das contribuições mais pagas pelas empresas e que incidem sobre o seu faturamento – já está recuando. Até agosto deste ano, a apuração dos dois impostos teve queda real de 3,15%, em relação ao mesmo período de 2014, para R$ 172,6 bilhões. Por esse motivo, os especialistas são a favor de medidas que incentivem o aumento da atividade econômica, incluindo mais ações de inovação para promover a competitividade das empresas.

Ainda não estão definidas as mudanças na Lei do Bem. Segundo Pieracciani, o Executivo federal ainda está formulando propostas para apresentar para o Congresso Nacional. “Estamos receosos que mudanças para pior venham por aí”, diz.

Mais alterações

Com a queda na arrecadação do PIS e da Cofins, a Fazenda tenta implementar mais medidas para reverter o cenário. Joaquim Levy disse ontem que o envio da proposta do governo para a reforma das contribuições pode ser antecipada. Esta deve aumentar a arrecadação do governo em R$ 50 bilhões. O ministro não adiantou o valor da alíquota sobre as movimentações financeiras

De acordo com ele, essa reforma é muito importante para simplificar a vida das empresas, para aumentar a segurança jurídica das empresas e também para dar transparência aos impostos. Levy disse ainda que a reforma do PIS Cofins tem capacidade de ajudar o crescimento “e é particularmente importante para criar ambiente positivo assim que a gente superar a discussão do orçamento que também é uma discussão importante e a gente sabe que é difícil”, afirmou.

“Toda vez que você tem uma desaceleração da economia há um sacrifício de todo mundo, há um esforço de todo do mundo. O esforço nunca é pequeno. É uma discussão muito importante”, destacou o ministro, após reunião de uma hora e meia com o presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros (PMDB-AL).

CPMF

A expectativa era de que Levy apresentasse oficialmente as propostas do governo para aumentar a arrecadação de impostos e superar o déficit orçamentário, como a que recria a CPMF, mas isso não ocorreu. “Os projetos serão enviados, evidentemente pelo governo e devidamente para a Câmara. Se for MP [medida provisória], seguirá a distribuição adequada. Isso deve ser feito oportunamente e ainda hoje. Os projetos já estão prontos”.

No caso da proposta que recria a CPMF, Joaquim Levy não adiantou se o valor da alíquota sobre as movimentações financeiras será de 0.20% ou de 0.38%, como querem os governadores. O ministro disse apenas que tudo será decidido pelo Planalto. “A CPMF é uma decisão de governo, do Palácio, que deve encaminhá-la”, ressaltou o ministro.

Pau de Selfie é um dos melhores exemplos de como inovar na crise econômica

Publicado na Revista Época Negócios Cortar investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento pode ser desastroso durante a crise. Por outro lado, [...]

Entenda o fenômeno das cidades criativas e saiba como esse mercado gera novos negócios e empregos

Publicado na Revista Administradores. Com uma agenda extensa de eventos ligados à moda, design, cinema, teatro, turismo e música, em [...]

Conheça as 10 empresas mais inovadoras do Brasil

Publicado na Revista Forbes Valter Pieracciani, sócio-fundador da Pieracciani Desenvolvimento de Empresas, foi um dos jurados especialistas para construir a [...]

A importância da inovação em tempos de crise

Publicado na Revista Fitness Business “Em tempos ruins, só coisas realmente boas é que vendem”. O ditado norte-americano serve de [...]

Eficiência energética é o pesadelo da indústria automobilística

publicado no Portal Automotive Business Enquanto administra a severa redução do ritmo de vendas, o setor automotivo terá de focar [...]

O futuro chegou: carros autônomos já são realidade e estão avançando rápido

Publicado na Revista Isto É Dinheiro A tecnologia futurística da indústria automobilística está cada vez mais presente na vida dos [...]

Comitê de Gestão de Inovação discute desafios e benefícios da implantação da ABNT 16.501

Em reunião realizada em maio, representantes do Comitê conheceram a experiência do Eldorado com a norma e debateram as razões [...]

As 5 desculpas que um inovador não pode mais dar

“Não sou criativo” – Todo mundo nasce criativo e interpreta diferentes papéis ao longo da vida. “Não sou um gênio” [...]

Tecnologia e carga tributária

Opinião – Alfonso Abrami Apesar da taxa de juros, do dólar flutuante e da inflação em alta, a indústria tem [...]

O que fazer em época de crise? Consultor dá dicas e o mercado dá exemplos

publicado na Revista Leite & Derivados.   Em tempos de crise, é essencial investir em inovação. Nesse período, o mercado [...]

Raio Gourmetizador Ativar!

Rótulo de queridinho do consumidor, o gourmet virou uma das principais tendências do mercado. por Raíza Pacheco Imagine que você [...]

contato

fale conosco

Entre em contato com a gente pelo formulário abaixo:
Assunto:
Comentário:

Trabalhe conosco

Envie seu currículo para Pieracciani:
Área:
Comentário:
55 11 5506 2953

Rua Geraldo Flausino Gomes, 78cj. 151
Brooklin NovoSão PauloSP04575-060

Cadastre-se

Receba novidades e notícias da Pieracciani